WordPress Theme

Notícias

03 de Setembro de 2014

Batida retoma seu espaço nos botecos brasileiros


Clássico de boteco, a batida é a cara do brasileiro. Criada algumas décadas depois da caipirinha, conquistou os frequentadores de botequim logo no primeiro gole e virou modinha da geração bossa-nova, durante as décadas de 50 e 60.

"Era um momento em que a coquetelaria estava mostrando um estilo tropical de fazer drinques", diz Marco de La Roche, de uma paulistana casa café. "Usávamos frutas frescas, que outros países não tinham, leite condensado, cachaça e muito gelo."
Simples assim, a receita ainda faz parte de seu cardápio e aparece em outras casas de respeito. Em um estabelecimento carioca, os sabores coco, amendoim e morango, são um sucesso.

"Numa época em que só se fala em mixologia, acho importante resgatar esse tipo de coquetel", diz Edu Passarelli, sócio-proprietário da filial paulistana da casa.


No bar do Oswaldo, no Rio de Janeiro, são vendidas 12 mil doses por mês. Sabores como bombom, café-creme, vinho e açaí chamam a atenção. "Com toda essa onda de gastronomia, a gente sentiu necessidade de inovar as receitas", diz o dono do bar.
Preparar o drinque não tem segredo algum. O único cuidado é bater a mistura na hora em que for servida. "Pode até fazer em grande quantidade, no liquidificador", diz Marco.

"Contanto que bebam imediatamente."


Para ele, o ideal é usar cachaças brancas, sem passagem por madeira. "A mistura desse destilado com a fruta é deliciosa", afirma Marco. Melhor até do que a vodca, que tem sabor neutro.


Tradicional acompanhamento de churrascos, a batida combina com qualquer ingrediente e é tão doce que nem parece bebida alcoólica. Aliás, esse é o perigo, pois acaba-se bebendo muito, sem perceber. Para que não fique tão açucarada, Marco sugere botar só a metade da quantidade pedida na receita de leite condensado e completar o restante com creme de leite fresco. "As mulheres adoram", diz Passarelli. E quem não gosta?

Fonte: Comidas e Bebidas Uol